terça-feira, 30 de agosto de 2011

28º Dia –30/08/2011, TERÇA FEIRA – de Tapachula - MÉXICO a San Sebastián, Retalhuleu - GUATEMALA.

 KM DO DIA:  173                 KM TOTAL: 8.058
Estamos de volta.
            E aqui vamos contando para vocês as peripécias que se tem que fazer quando se propõe a cruzar, viajando de moto, as três Américas.
             Hoje foi um dia em que exercemos algumas das características de personalidade necessárias para se levar a termo uma empreitada como essa.  Em primeiro lugar, a paciência, depois jogo de cintura, em seguida a esperteza, a dissimulação, tolerância e por último juízo.
            Quer ver ?  Me acompanhe....
             Saímos do hotel muito tarde, o blog do dia anterior tinha ficado para a parte da manhã, por total falta de condições físicas.
                           FOTOS DA CIDADE DE TAPACHULA NA PROXIMIDADE DO HOTEL

FOTOS INTERNAS DO HOTEL



            Seguimos direto para a fronteira com a Guatemala que ficava a 12 quilômetros aproximadamente.  Fomos para a aduana e em 10 minutos estávamos com os passaportes carimbados(registro de saída), aí perguntei onde que entregava a documentação para cancelar, ou receber de volta, o depósito que fizemos a título de seguro contra terceiros, vinculado às motos.

SAINDO DO MÉXICO

           Veio a resposta,  e aí usamos a primeira característica listada acima, a PACIÊNCIA:  “volte até a cidade(12 km), depois volte mais 10 quiilômetros antes de chegar na cidade e lá você encontrará um posto onde  deverá entregar este papel e receber de volta o seu depósito.”
           Entenderam? Você vai até a fronteira, depois volta cerca de 25 km para devolver os papéis do veículo,  depois anda de novo os 25 de volta à fronteira. Você também pode resolver o problema, trazendo consigo a sua bola de cristal, aí já devolve os papéis do veículo antes de ir para a fronteira.
        Passamos para o lado da Guatemala. Era a visão do inferno, fomos cercados por umas  15 pessoas, todos falando ao mesmo tempo.  Tinha gente querendo fazer câmbio e ia logo avisando que o “ cajero” mais próximo ficava a 30 km dali e que para toda a tramitação só se aceita a moeda local, o que depois comprovamos ser verdade.
        Tinha gente querendo ser o nosso tramitador, uma espécie de despachante com pinta de pilantra, mas que sem eles você não consegue nada ou passa o dia inteiro esperando os documentos ficarem prontos. 
        Tinha nativo querendo dar uma de esperto e se sobrepor sobre os outros falando em inglês. Em portunhol,  já estava  difícil a comunicação, imaginem  “englshinhol”....
         Veio a segunda característica, O JOGO DE CINTURA , a gente tinha que se impor, escolher um cambista, um tramitador, dispensar os demais e não chutar o balde, porque podia ser pior.
                                                      CERCADO DE TRAMITADORES

                                                  TRAMITADORES TRABALHANDO


         Fiz o câmbio, tirei  cópias dos documentos, enfrentei fila no banco para pagar as taxas, andei para lá, para cá, e o Sérgio sentado vigiando as motos, quem é louco de deixá-las sozinhas??!! 

           Os tramitadores eram três, entravam nas repartições de forma que pareciam trabalhar  lá dentro, e em pouco mais de uma hora tínhamos todos os documentos na mão.   Custou 20 dólares o cachê dos tramitadores, 45 dólares a taxa paga pelas motos e 55  dólares para as duas pessoas. Esta última taxa não foi paga em banco, o que nos leva a crer que é a parte rateada com a burocracia. Aí entra mais uma característica a DISSIMULAÇÃO.... você sabe que está sendo roubado, mas finge que não vê.
                                                           UM TÁXI DE 3 RODAS
                    A moeda local é Quetzal, que na mão dos cambistas valem 7,20 para cada dólar, no hotel, o câmbio já foi feito na base de 8 quetzales para 1 dólar. HAJA ÁGIO.........
          A ESPERTEZA  você usa quanto está fazendo o câmbio, que precisei fazer duas vezes, e nas duas vezes, com cambistas diferentes, ambos se enganaram e me deram dinheiro  a menos. Tentar enganar um ex gerente de banco, na contagem de dinheiro é querer bancar o sabido demais.
          Tudo acabado, olhamos para o relógio e já eram quase três horas da tarde. Havíamos programado dormir numa cidade a cerca de 220 km dali, tava mole. Vamos embora, combinamos.

SÉRGIO ANALISANDO UMA NOVA OPÇÃO.

             Mas nem tudo é tão matemático assim. De repente o céu escureceu e começaram pingos fortes de chuva.  Que “m”, agora que as roupas e sapatos já estavam secando depois da chuva de ontem.....


            Paramos, pusemos as capas de chuva e o aguaceiro desabou. A estrada parecia cozinha de restaurante de “um real”, panelaços imensos, que quando agente caía neles parecia que a moto ia sumir.
            E o medo de cortar um pneu num buraco desses!!!!!?????
            Rodamos assim por quase 120 km, até que o trânsito parou e fomos pelo corredor até chegar em um ponto onde um valão  transbordou e a água passava por cima do asfalto.  Arriscamos e passamos por dentro da água, minha moto quase morreu e o coração veio na boca.  
          Mais uns 10 km surgiu um grande hotel, encerramos o dia por volta das 5 hs da tarde,  em nome da última característica acima citada:   O JUÍZO.
          Amanhã vamos tentar enganar a dona chuva, que nesses países da América Central,  costuma se fazer presente na parte da tarde. Vamos acordar cedo e às 7 da matina queremos estar na estrada.
          Então deixa eu ir dormir.....   

5 comentários:

  1. Que maratona heim?
    Com paciência e juízo vcs chegarão até aqui, se Deus quiser.

    ResponderExcluir
  2. E ainda achamos o Brasil burocrático!

    ResponderExcluir
  3. Nooosa, tava atrasado 3 dias na leitura! Fiquei quase uma hora pra ler tudo! Tava sentindo cada pingo de chuva!!!Mas agora as coisas vão melhorar, já que só chove à tarde, né? Boa sorte!

    ResponderExcluir
  4. Estou acompanhando atentamente, absorvendo essa experiência fantástica de vcs, uma aventura digna de um Indiana Jones (rsrsrs). Que Deus continue com vcs!!!

    ResponderExcluir
  5. Concordo com o Ernesto "uma aventura digna de um Indiana Jones", sendo que neste caso são dois.RSRSRS.
    Gracinha passa na frente e que vcs contem com proteção dos três arcanjos.

    ResponderExcluir