sexta-feira, 26 de agosto de 2011

24º Dia –26/08/2011, SEXTA FEIRA – de Santiago de Querétaro a Ciudad Mexico- MÉXICO.


KM DO DIA: 242 – KM TOTAL: 6.727
Oi turma,
           Todos os dias são especiais em nossa “Travessia”,  mas tem uns que realmente marcam o passeio, o hoje foi um desses dias.
           Parecia que iria ser um dia como outro qualquer, com um pouco mais de ansiedade,  por ter que entrar em uma cidade tão grande como a capital mexicana, o que sempre é complicado.
           Saímos por volta de 9:30h  e para não perder o hábito, vejam a foto do último hotel.

           Pegamos a estrada e veio a primeira surpresa, havia uma chapada pela frente. Subida forte de uma serra, quase 120 km no alto e depois uma descida também forte.
           Como consequência a moto branca foi colocada a prova e perdeu. Não tinha força para subir e nitidamente faltava combustível para a queima. La vamos nós para a oficina novamente, e isso será na primeira oportunidade. Depois veio o frio para o qual não havíamos nos preparado, ai, demos uma de macho e fomos em frente.
          Pelo caminho, numa parada, um grupo se aproximou e entre eles tinha um brasileiro. Foi uma alegria só. Nós por vermos o primeiro brasileiro desde que saímos de Miami, e ele de mostrar a seus amigos como os brasileiros são loucos. Chama-se Iris, também é motociclista,  trabalha numa Universidade em Campinas-SP e  está por aqui participando de um congresso.

         No mais,  tudo igual, estrada, cidades, abastecimentos,  etc.....


          Aí chegamos a capital federal e entramos por uma autopista chamada Periférica, muito parecida com a Marginal Tietê.  Uma pista expressa com 3 mãos  e uma pista lateral com mais duas. Lá fomos nós pela expressa até que apareceu ao nosso lado, dois policiais pilotando  duas Harley Davidson, isso mesmo Harley, e pediu-nos que os seguissem até o próximo recuo.
        Lá começou a raiva.  Disse-nos que a pista expressa era proibida  para motociclistas (enquanto falava conosco, passaram umas seis motos), disse que a multa era o equivalente a 150 dólares por moto, fora a apreensão por 3 dias no depósito público.
        Começou a conversa fiada, e  diante de nossas alegações de que não tínhamos dinheiro, eles propuseram que pagássemos pelo menos,  a multa de uma das motos.  Ficou clara a “sacan.....”.
          Papo vai, conversa vem,  eles levaram, felizes da vida, algo em torno de 28 dólares.
          Não acabou não, depois disso o cara teve o cinismo de nos autorizar a continuar na pista expressa e me deu um papel escrito por ele com algumas palavras que não entendíamos, dizendo que se mais algum policial nos parasse, era para mostrar aquela “autorização” para rodar por ali. Pela mais completa falta de confiança, decidimos ir pela pista lateral por bons quilômetros.
           Achando que o pior já havia passado, mais na frente ouvi  quando o Sérgio começou a buzinar.  Parei no canto da pista e ele encostou com o pneu traseiro furado.
           Estávamos na pista expressa novamente e desesperadamente pedimos aos peões de uma obra que havia ali, para que nos deixassem entrar com as motos na área reservada para canteiro de obras. Vejam na foto.

           Pusemos o spray colante para tentar fazer o reparo, o que não funcionou, e lá fomos nós, digo lá foi o Sérgio com o motor ligado, marcha engatada andando ao lado da moto até encontrarmos uma saída para a pista lateral.  Fechamos o trânsito e finalmente atravessamos para a calçada. 
           Entramos num estacionamento do tipo “edifício garagem” e um mexicano carinhosamente chamado pelos amigos de “cabeção”,  foi sensacional e arranjou tudo que precisávamos para  desmontar o pneu, emprestou até um macaco, que aqui se chama “GATO”.   Vejam a foto da turma do estacionamento e ganhará um prêmio, quem descobrir quem é o “cabeção”.

          Por indicação dele, o cabeção, lá fomos nós com a roda na mão procurar uma oficina mecânica de autos numa rua atrás do estacionamento.  Por lá encontramos nada mais nada menos, que o Tohuy, Presidente do Centauros Moto Club, que também era o dono da oficina.
         Viram como a sorte muda ??????
         De pronto, o Tohuy largou o seu trabalho, e em nome da irmandade do motociclismo, pegou seu carro e nos levou numa borracharia, que por sinal era de amigos seus que também eram motociclistas. Vejam na foto.

         Desmontado o pneu, ficou claro porque o spray reparador não funcionou, por ter rodado vazia, a câmara de ar soltou o bico.  La foi o Tohuy conosco procurar loja de peças para comprar uma câmara nova.
          De volta ao estacionamento, montamos a moto e fomos de novo a oficina, desta vez levando as motos, para uma seção de fotos, troca de adesivos, de  camisas, de troféus de eventos e o mais importante de tudo – TROCA DE UM ABRAÇO BEM APERTADO – no melhor estilo latino.
         Nada disso nos surpreendeu, motociclismo sempre foi e sempre será assim, uma irmandade sem raça, fronteira, credo, estatus social ou cilindradas.  
       VALEU TOHUY.


O Pai do Tohuy é fundador do Moto Club Centauros
O LEMA 


         Viu como nossa sorte virou ????   Só que antes de terminar o dia a danada virou de novo.
          Saímos da oficina temerosos, pois o tempo estava fechando e um temporal se aproximava e ainda faltavam uns 15 km para chegarmos na região hoteleira. Voltamos para a expressa “PERIFÉRICA”, que como já era o horário do rush não tinha mais nada de expressa e estava literalmente parada.  Resultado, quase duas horas para fazer os 15 km que faltavam e debaixo da maior chuva.   
          Pra terminar, não encontramos a tal região dos hotéis. Pedi arrego. Encostei do lado de um taxista e pedi: “nos leve em um bom hotel, que te pago a corrida” . La fomos nós atrás do taxi até um hotel.
           Já eram mais de 7 hs da noite e estávamos tão molhados que não podíamos parar sem deixar uma poça de água no chão. Para quem queria chegar por volta de 1 h uma da tarde......tava bom, afinal de contas chegamos.....  
 Chega pessoal, tô morto e vou dormir.  

Em tempo:   vejam o filme que entrou em cartaz aqui na Ciudad do México.
Até amanhã.

7 comentários:

  1. Caraca!!! Que dia, hem???? Não sei porque falei "Caraca", acho que me lembrei de alguma coisa parecida..... VENEZUELA/CARACAS.....
    Agente já sabe que dias como esse, cheios de imprevistos, sempre acontecem e são eles que fazem o enredo de nossas aventuras....
    Beijos.... Fiquem com Deus.

    ResponderExcluir
  2. Puxa, quanta aventura pra um dia só!
    ;)

    ResponderExcluir
  3. Caraca...lembrei desse filme que já passou em CARACAS/VENEZUELA.
    Sigam com Deus...e boa sorte.

    ResponderExcluir
  4. Ótimas Surpresas do destino: do Brasileiro (Íris) aos irmãos do Centauros Moto Club. Siguam com Deus!! Estamos aqui ligados diariamente nas notícias de vcs.

    ResponderExcluir
  5. Marcos,
    Duas coisas nao mudam, a irmandade no motociclismo e a "sagacidade" dos policiais latinos!!!
    Sucesso e que Deus continue guiando vcs.

    ResponderExcluir
  6. Rapaz, sorte foi o pneu aparecer furado em local habitado! Já pensou se tivesse sido no meio do nada?
    Sorte sempre! Nas mãos de Deus!

    ResponderExcluir
  7. Policial safado.
    .
    Ainda bem que isso é no México. Deve ser complicado viver num país com esse tipo de problema.
    .
    Brasil-il-il-il-il-il!!
    .
    Abs

    ResponderExcluir